O Rio Grande do Norte para todo o Mundo

Natal Rio Grande do Norte Notícias Agricultura Cidades Comércio Comunicação Cultura Educação Entidades EntretenimentoEsporte Indústria Informática Pessoais Poder Público Política Religião Saúde Serviços Turismo

FOTOS

ARTIGO 

02/04/2008

Estupidez no Auto Mall

--- Walter Medeiros

Os acontecimentos do nosso dia-a-dia estão se tornando cada vez mais estranhos, a ponto de termos surpresas desagradáveis nos lugares aonde menos poderíamos esperar. Foi o que aconteceu com meu filho, Walter, que estava providenciando a troca do seu carro e desejava uma avaliação, para negociá-lo. O carro foi avaliado em várias lojas, mas não haviam chegado ainda ao preço que ele desejava. Resolveu então ir até o Shopping do Carro, em vista da propaganda, da novidade, do vulto. Pois bem. Foi a visita mais desastrosa que se pode imaginar.

Chegando ao Auto Mall, dirigiram-se, ele e a mãe - que o acompanhava - para solicitar a avaliação do carro. A mãe preferiu dar uma olhada em outros carros enquanto ele seguia para o seu veículo, acompanhado de dois funcionários. Olha aqui, olha ali, eis que um deles resolve tirar a tampa do reservatório de água, mesmo sabendo que o carro acabara de chegar e estava com o motor quente. Apesar do proprietário dizer para não fazerem aquilo, eles fizeram, e quando espirrou água fervendo passaram a dizer que ele não entendia nada de carro. Nenhuma outra loja abriu aquele reservatório para fazer a avaliação. Mas eles concluíram que o motor estava esquentando. Que especialistas!

Nada mais traumático, que ver os avaliadores desconcertados partindo para agressão, com o dedo em riste, chamado-o de “bosta” e “abestalhado”, além de dizer aos berros: “você não entende nada de carro”. Walter Filho conseguiu se controlar, fechar o carro, dizer que não iria fazer mais nada ali, apenas chamar a mãe para irem embora. Foi seguido aos gritos por um dos avaliadores, enquanto o outro juntava-se a um grupo de cinco vendedores e ficaram rindo e soltando piadinhas.

Tudo que o rapaz tentou alertar era que não deviam abrir aquele reservatório com o motor desligado, já que tinha acabado de desligá-lo, depois de andar cerca de dez quilômetros. Em meio a outros clientes e acompanhantes, a cena era a mais chocante: o avaliador tentando agredir o rapaz, precisando ser afastado pela sua mãe, que pedia pelo amor de Deus que acabasse com aquilo e indagando insistentemente: “o que é isso?”.

É difícil imaginar aonde este shopping do carro foi treinar seus funcionários para agir com tanta estupidez, suficiente para alterar completamente a pressão de Graça, que a vem controlando à força de medicamentos. Por mais que se reflita, não dá para entender essa atitude tão invasiva e descabida com relação ao veículo, mesmo desautorizado pelo seu dono. Nem dá para entender como vão conseguir fazer negócios com este tratamento truculento aos clientes.

 

INDIQUE SEU SITE

MENU

TOPO

FALE CONOSCO 

SOBRE O RNSITES