WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 




 

19.08.2011

 

Permissividade desastrosa

 

 

--- Walter Medeiros* – waltermedeiros@supercabo.com.br  

 

Até poucas décadas atrás, o consumo de bebidas alcoólicas era algo restrito aos boêmios e maiores, em bares, botecos e festas. Os drinks eram servidos somente para adultos, sob uma responsabilidade geral onde até os bêbados protegiam os menores do uso da bebida. Dizer que o uso era indevido seria uma redundância, pois a própria sociedade via tal consumo como algo nocivo e fazia tudo para que não ocorresse, a fim de proteger as crianças e os jovens menores de 18 anos. Era uma época em que não se tinha notícia desse costume e os comissários de menores observavam e conseguiam manter os ambientes sem problemas. Menores consumiam refrigerantes, refrescos, sucos; nunca álcool.

Aos poucos, foi sendo estabelecida uma farra geral, a sociedade foi se descuidando de tal forma que as bebidas alcoólicas passaram a ser usadas por menores e crianças, e o seu uso tolerado por adultos e até por algumas autoridades, que passaram a fazer vistas grossas. O resultado desta irresponsabilidade coletiva começa a ser constatado pelo poder público. Segundo o deputado Antônio Jácome, de acordo com dados divulgados pela 3ª Vara da Infância e Juventude, jovens e adolescentes entre 12 e 18 anos e de baixo poder aquisitivo são os maiores consumidores de álcool e em cinco anos o consumo de álcool aumentou 30%.

É sabido que as conseqüências do alcoolismo são desastrosas; literalmente desastrosas. Basta observar o dia-a-dia dos atendimentos de urgência, que ocupa equipes inteiras de médicos, enfermeiros, auxiliares e gasta com materiais, medicamentos e hospedagem, para atender vítimas do álcool – alcoólatras ou não. Pode-se observar também o atendimento policial, nas delegacias de plantão e de acidentes de veículos, bem como dos corpos de bombeiros, ocupando policiais, viaturas e expediente para atender ocorrência resultantes da embriaguez evitável. Lance-se ainda um olhar no atendimento do Poder Judiciário, onde juízes, promotores, escrivães, assistentes sociais e muitos outros ocupam-se de problemas decorrente de uma só ilegalidade: a venda e permissão do consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 anos.

Em meio a tudo isso, surge uma surpresa boa: o deputado Antônio Jácome apresentou na terça-feira, 16 de agosto, um projeto de lei que institui o “Programa de Prevenção ao Alcoolismo e Desestímulo ao Consumo de Álcool entre os Adolescentes e Jovens no estado do Rio Grande do Norte”. O programa visa diminuir o consumo de bebida alcoólica pelos jovens, através de um conjunto de normas e ações que devem implicar em repressão ao fornecimento de bebidas a menores, controle dos menores pelos pais e conscientização geral sobre o assunto. O deputado, que é médico, acredita que a prevenção, a repressão e a mobilização social podem ser capazes de reverter o presente quadro. A lei deverá prever penalidades para bares, casas noturnas, restaurantes, padarias, lanchonetes e congêneres que venderem bebidas alcoólicas a menores de 18 anos ou venderem bebidas alcoólicas a menos de duzentos metros de escolas públicas ou privadas, do Ensino Fundamental e Médio.

Tão logo tomei conhecimento da proposta, enviei Parabéns ao deputado Antônio Jácome, pela iniciativa. Ao invés de bebidas alcoólicas, os jovens precisam ter oportunidades para praticar esporte, para vivências saudáveis de lazer, bem como a garantia de educação e participação em atividades culturais. Uma mudança responsável nesta realidade resultará com certeza em grande e visível economia para o estado, para que o atendimento médico tenha melhor utilidade, o atendimento policial e dos bombeiros se volte para outros desastres, e o atendimento da justiça volte-se para causas mais nobres. Acredito que o assunto pode ser tema de uma importante audiência pública, na qual a população certamente dará contribuições ricas e surpreendentes, visando garantir dias melhores para nossas crianças e adolescentes.

---

*Jornalista

 

 


ESPECIAL - DIA DA POESIA 2011 - JAPÃO/TSUNAMI

 
   

COLUNAS ANTERIORES

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

O TEMPO DE ALUÍZIO ALVES

 

ARRAIÁS DA MEMÓRIA

DIAS DE AMOR E TENSÃO

LÁGRIMAS NAS ESCADARIAS

Irmã Dulce e o tumulto

ADEUS 2010; FELIZ 2011

VANGUARDA FEMININA

BELA PÁGINA MUSICAL 

CARTA AO MEU FILHO

HISTÓRIA DO RÁDIO

O QUE NATAL DEVE A MARILENE DANTAS

AMOR À CHILENA

O HOMEM DO IBGE

O BEM-TE-VI E OUTROS PASSARINHOS

UMA CORTINA SEM FIM

GRANDEZAS DO ARAGUAIA

HIGIENE MENTAL E LIXO

ANISTIA PARA LUIZ, ONDE ESTIVER

OS GATOS DO CALÇADÃO

POR QUE BEBEM

NATAL EM LISBOA 

TV, BOMBRIL E SAÚDE MENTAL

ALCOOLISMO, ALCOÓLICOS ANÔNIMOS E A JUSTIÇA

UM TIRO NO FOOT

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

SE SE CALA O CANTOR

QUALIDADE PELO TELEFONE

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

SENTIR BRASÍLIA

UMA HOMENAGEM A LOIS

EM BUSCA DE UM AMIGO

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

MÉDICOS PRECIPITADOS

UMA SAUDADE A MAIS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

CUIDADO COM AS FLORES

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MÉDICOS DE HOJE

MAIORIDADE AOS 16

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

DUARTE E SEU JOAQUIM

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

O CLIENTE PERDIDO

CACHAÇA NO HOSPITAL

MEDICINA E ARTE

DESCULPAS INÓCUAS

NINGUÉM MERECE!

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

O VENDEDOR DEZ EM UM

HUMOR NO ATENDIMENTO

GEOGRAFIA DA VENDA

AMIGO TAMBÉM ERRA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MEDICINA DESUMANA

ATITUDES CORRETAS

 

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

 

 
 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO

 
 
 
História do Rádio