Artigos - Outubro de 2010

WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 



 

UMA CORTINA SEM FIM

04.10.2010

--- Walter Medeiros* – waltermedeiros@supercabo.com.br

Nas manhãs ensolaradas que começam as minhas semanas costumo olhar em volta do ambiente, aproveitando a benesse do ar mais puro das Américas, o ar da nossa cidade, Natal, capital do Rio Grande do Norte, nordeste do Brasil. Por entre aquelas plantas dos canteiros centrais da estrada de Ponta Negra vejo os grupos de prédios que vão formando uma cortina, como costumam dizer os arquitetos nos seus estudos sobre o desenvolvimento urbano. São prédios prontos e habitados e prédios em construção, dos mais sofisticados aos mais simples, cada um com a sua elegância. Aí me vem aquela foto na memória, da estrada de muitos anos atrás, quando o caminho para o litoral sul era apenas uma estrada acanhada que servia a um reduzido número de veranistas. Para Pirangi, havia um ônibus que saía da rodoviária velha cedo da manhã e voltava no fim da tarde. Que tranqüilidade!

Esse meu pedaço é um detalhe da nossa cidade, tão pacata naquele tempo em que o seu maior edifício tinha cinco andares: o Edifício São Miguel, ali na Avenida Rio Branco, em frente ao Banco do Brasil, à época Mercado Municipal da Cidade Alta. Começaram a surgir os famosos arranha-céus, começando pelo Edifício 21 de Março. Depois veio o Salmar, na avenida Deodoro, o prédio do INSS e o Barão do Rio Branco. Nos anos setenta, chegou o Ducal Palace, em cujo Sky Terrace (17º andar) assistimos várias vezes o belo pôr-do-sol do rio Potengi. Dentre todos esses prédios, apenas o Edifício Salmar se destinava a residência. O crescimento horizontal da cidade ainda era o mais natural. Anos depois, com essa tendência, cheguei a Capim Macio, inaugurando, em 1989, o então Village de Latouche, construído em meio a poucos prédios, granjas e mato. Hoje quase não se vê mais terreno sem construção.

Mas essa cortina de edifícios que assola Natal chega à minha casa como assunto obrigatório, pelo menos en passant, pois Firmino Neto, um dos meus filhos, está concluindo Engenharia Civil e seu estágio se dá exatamente com a tarefa de acompanhar, participar e até conduzir em boa parte a construção de um prédio de vinte andares. Ele participa da obra desde o primeiro mato retirado pela terraplenagem e já está com todos os andares erguidos. Em meio a planilhas e notebooks – ferramentas naturais agora nos canteiros de obras – lá chega ele sempre com aquelas botas e, no carro, capacete e tudo que faz parte do seu trabalho. Ele é muito exigente consigo mesmo e com os outros, daí a certeza de que tão logo termine a construção daquele prédio estará pronto e diplomado para construir outras partes dessa longa cortina de concreto.

Não tenho tendência para morar em apartamento – embora não diga que dessa água não beberei – e ainda vivo as vantagens de morar em casa. Mas como anda rápido essa cortina, comparando-se àquele tempo em que Natal praticamente terminava na corrente próxima da Guararapes, hoje Midway e fui aluno do IFRN no ano em que se mudou para Morro Branco, em 1967, como Escola Industrial de Natal; em que a corrente das Quintas era o limite para entrarmos no rumo da Ponte de Igapó, a ponte de ferro, pois Monsenhor Walfredo não havia construído ainda aquela primeira ponte de concreto e Geraldo Melo não havia inaugurado a segunda ponte, duplicando aquela outra. Naquele tempo havia até uma música que dizia “Prédios tão grandes me invadem o coração / Telefonista, por favor, complete a minha ligação”. É o progresso. Para conviver melhor com ele, basta olhá-lo com os olhos do amigo médico e professor de Inglês Tarcísio Gurgel, principalmente no crepúsculo, no qual as luzes que anunciam a noite formam uma bela “Sky line”.

*Jornalista   

 

COLUNAS ANTERIORES

O BEM-TE-VI E OUTROS PASSARINHOS

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

GRANDEZAS DO ARAGUAIA

HIGIENE MENTAL E LIXO

ANISTIA PARA LUIZ, ONDE ESTIVER

OS GATOS DO CALÇADÃO

POR QUE BEBEM

NATAL EM LISBOA 

TV, BOMBRIL E SAÚDE MENTAL

ALCOOLISMO, ALCOÓLICOS ANÔNIMOS E A JUSTIÇA

UM TIRO NO FOOT

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

SE SE CALA O CANTOR

QUALIDADE PELO TELEFONE

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

SENTIR BRASÍLIA

UMA HOMENAGEM A LOIS

EM BUSCA DE UM AMIGO

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

MÉDICOS PRECIPITADOS

UMA SAUDADE A MAIS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

CUIDADO COM AS FLORES

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MÉDICOS DE HOJE

MAIORIDADE AOS 16

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

DUARTE E SEU JOAQUIM

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

O CLIENTE PERDIDO

CACHAÇA NO HOSPITAL

MEDICINA E ARTE

DESCULPAS INÓCUAS

NINGUÉM MERECE!

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

O VENDEDOR DEZ EM UM

HUMOR NO ATENDIMENTO

GEOGRAFIA DA VENDA

AMIGO TAMBÉM ERRA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MEDICINA DESUMANA

ATITUDES CORRETAS

 

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

 

 

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO