WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 



 

O BEM-TE-VI E OUTROS PASSARINHOS

27.09.2010

--- Walter Medeiros – waltermedeiros@supercabo.com.br

No silêncio da manhã um passarinho canta pousado num galho alto de uma grande árvore com a qual cruzo frequentemente. Parece um pássaro que eu ouvia há mais de quarenta anos, nas minhas manhãs de infância serrana. Não o vejo nem me detenho para procurá-lo e fico esperando o som da cigarra, que não vem, pois as minhas cigarras ficaram naquelas árvores frondosas do sertão de Alagoas. Nem me passa pelo pensamento nenhuma vontade de aprisioná-lo ou atingi-lo.

Naquele tempo eu tinha uma baladeira e cheguei certa vez orgulhoso da minha pontaria, por ter acertado um passarinho num galho distante, como se aquele tiro não fosse idêntico ao controle de um acerto de uma chimbra (é assim que se chama biloca naquele lugar onde morei). E lembro do meu irmão, Wellington, esboçando sério remorso por ter acertado um pássaro que não morreu, mas ficou sem condições de voar imediatamente. Vez por outra, no almoço do domingo, meu sogro lembra do seu tempo de caçador, quando pastorava os pássaros à beira de uma lagoa. Eram dezenas e ele se aproximava com a espingarda de soca. Fazia um barulho para espantá-los e quando levantavam vôo eram atingidos em grande quantidade, caindo para alimentar a diversão de jovens e adultos, quando o IBAMA e o IDEMA ainda nem existiam.

Quando conversava com meu pai, além das histórias que me contava como ex-combatente da Segunda Guerra, ele gostava de lembrar dos seus tempos de Jucurutu, onde nasceu, e na sua escola primária ganhou um prêmio por ter recitado de forma brilhante o conhecido poema  ”Pássaro Cativo” , de Olavo Bilac: “... Por que me prendes? Solta-me covarde! Deus me deu por gaiola a imensidade: Não me roubes a minha liberdade ... Quero voar! voar! ...”

Vem também a lembrança daquela história engraçada sobre o mentiroso que apareceu correndo na bodega que freqüentava e perguntaram o que estava procurando: “-estou atrás do meu canário, que fugiu com gaiola e tudo.”. Meus cunhados gostam muito de pássaros e conhecem muitos deles. Mas eu só consigo distinguir as lavadeiras, as pombinhas e os pardais que pousam no meu quintal diariamente. Bem como alguns outros pássaros, como os canários, anuns e outros que simbolizam partidos políticos. E as corujas, paixão de nossa amiga manauara Conceição.

Para se ter uma idéia de como os passarinhos estão em todos os nossos momentos, quando Waltinho estudava no jardim de infância seu irmão Bruno ia buscá-lo e uma “Tia” (professora auxiliar) se apaixonou por ele. Mandou um bilhete pelo menino, para Bruno, com uma quadrinha: “Eu queria ser um passarinho / Um passarinho eu queria ser / Prá pousar em tua janela / Quando o dia amanhecer”. Tomando conhecimento do fato, uma pessoa brincalhona (não fui eu, foi Mônica) resolveu fazer uma resposta e enviar pelo mesmo portador: “Queria ser um caçador / Um caçador queria ser / Prá matar o passarinho / Quando ele aparecer”.

Minha cunhada, Fátima, entretanto, vai me perdoar, mas tenho de lembrar que não tem maiores conhecimentos na área, literalmente. Na área da minha casa, certo domingo, ouvíamos um som que vinha da frondosa árvore que meu vizinho de frente, Murilo(Uai) trouxe de Caicó há mais de vinte anos: “Híiin! Híin! Híin!”. Ela indagou a seu Sebastião, meu sogro, que pássaro seria aquele. Do alto dos seus noventa anos (ele vai completar 94 dia 10 de outubro de 2010), ele disse: “é um Bem-te-vi”. Ela rebateu: - “não, papai, lá em casa tem desses pássaros e não é Bem-te-vi”. Pacientemente ele reafirmou: “é, Fátima, um Bem-te-vi”. Quanto ela se preparava para argumentar mais, o pássaro tirou a dúvida, com seu canto forte e tão belo: “BEM-TE-VI!!!”.

 

COLUNAS ANTERIORES

 

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

GRANDEZAS DO ARAGUAIA

HIGIENE MENTAL E LIXO

ANISTIA PARA LUIZ, ONDE ESTIVER

OS GATOS DO CALÇADÃO

POR QUE BEBEM

NATAL EM LISBOA 

TV, BOMBRIL E SAÚDE MENTAL

ALCOOLISMO, ALCOÓLICOS ANÔNIMOS E A JUSTIÇA

UM TIRO NO FOOT

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

SE SE CALA O CANTOR

QUALIDADE PELO TELEFONE

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

SENTIR BRASÍLIA

UMA HOMENAGEM A LOIS

EM BUSCA DE UM AMIGO

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

MÉDICOS PRECIPITADOS

UMA SAUDADE A MAIS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

CUIDADO COM AS FLORES

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MÉDICOS DE HOJE

MAIORIDADE AOS 16

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

DUARTE E SEU JOAQUIM

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

O CLIENTE PERDIDO

CACHAÇA NO HOSPITAL

MEDICINA E ARTE

DESCULPAS INÓCUAS

NINGUÉM MERECE!

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

O VENDEDOR DEZ EM UM

HUMOR NO ATENDIMENTO

GEOGRAFIA DA VENDA

AMIGO TAMBÉM ERRA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MEDICINA DESUMANA

ATITUDES CORRETAS

 

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

 

 

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO