WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 



 

NATAL EM LISBOA

02.09.2010

--- Walter Medeiros* – waltermedeiros@supercabo.com.br

A Semana de Natal em Lisboa foi uma iniciativa importante para o turismo natalense e potiguar, que certamente justificará o investimento feito, em vista do retorno que veio e poderá ainda vir, caso os órgãos responsáveis tenham respostas qualificadas a dar para as demandas. Coincidentemente eu estava de férias com minha mulher, Graça, e nos encontrávamos em Lisboa durante aquele período. Éramos hospedes da nossa amiga portuguesa  Carol Lopes, cujo apartamento fica a três quarteirões do Shopping Colombo, onde foi montado o estande de Natal. Aliás, foi a primeira pergunta que Mirian de Sousa nos fez: - vocês estão na comitiva? Não estávamos, mas sentimos uma emoção boa, ao ver as coisas de Natal sendo apresentadas aos lisboetas.

O fato de não termos nenhum vínculo com a Prefeitura de Natal nos deixou muito à vontade para observar as ações naquele momento e ter uma avaliação isenta. Ao nosso ver, as gestões feitas junto às autoridades eram as que tinham de ser feitas e deveriam gerar uma sintonia capaz de desencadear um interesse além do espontâneo dos potugueses por nossa cidade. No estande, entretanto, acreditamos que o trabalho foi meio apático. Não parecia que estavam oferecendo nossa cidade à visitação e amizade. Os atrativos foram parcos, como algumas peças de artesanato que não enchiam duas mesas, e uma folheteria na qual muitas outras cidades brasileiras pegaram carona, como Salvador e Rio de Janeiro. Em meio aos folderes, revistas e jornais, duas ou três demonstadoras pouco informadas. Aí estava um ponto não tão positivo, mas não suficiente para dizer que a iniciativa não teria sido válida.

Por outro lado, a mídia portuguesa praticamente ignorou o evento, que tinha tudo para repercutir e transformar-se em novas oportunidades para Natal, seu povo e seu empresariado. Até porque em Lisboa poderia ter sido aprendida muita coisa que, trazida para nossa capital, levasse outros benefícos à nossa população. Cito um exemplo. Fomos fazer um tour com a nossa amiga Carol e outra amiga portuguesa, Ana Maldonado. Na visita ao Castelo de São Jorge, uma agradável surpresa: a entrada é paga, mas os moradores de Lisboa são isentos; basta apresentar qualquer documento comprovando ser natural ou residente na cidade. Acredito que seria uma boa idéia copiar a isenção, concedendo aos natalenses a gratuidade nas visitas a monumentos como o Forte dos Reis Magos. Além de levar os conterrâneos a visitarem e valorizarem o monumento, estimularia a que levassem os visitantes para aqueles pontos históricos e turísticos.

Ainda em Lisboa tomamos conhecimento do burburinho em torno da viagem. Não sei se o número de pessoas foi o mais adequado nem tenho elementos para achar que não teria sido. Deixei por conta da suposição de lisura e boa intenção, para enxergar a viagem do chamado Vôo Colombo como uma iniciativa valiosa para Natal. Sabe-se que na área de turismo essas idéias de convescote são muito fluentes, mas é preciso conhecer para poder trabalhar essa indústria tão importante para a nossa capital.  Por tudo isso não acredito que a Semana de Natal em Lisboa tenha sido um fracasso. Ela pode não ter sido conduzida da melhor forma, pode ter sido perdida a oportundiade de movimentar melhor o estande e até de aproveitar a mídia. Mas acredito que o evento estava no caminho certo.

Além do mais, esta capital tem a sorte de contar com vôos diretos para Lisboa e vice-versa, e isto também favorece a muita gente que se destina a Natal, vinda de outros países da Europa. Trata-se, portanto, de um ponto importante para todos, que podem incluir a capital portuguesa no roteiro.  São variantes que não se delineiam em meses ou mesmo apenas um ano. É preciso um perído maior de tempo para avaliar esses resultados ou até mesmo as suas influências, por menores que possam ser. Se a vinda de turistas estrangeiros diminuiu como um todo, e se o turismo em Natal ficou mais caro, não acredito que se deva culpar somente essa origem – Lisboa. O fato é que a iniciativa trouxe uma experiência a somar-se ao conjunto de oportunidades que nossa cidade tem e que precisam ser bem trabalhadas e aproveitadas por todos. Para tanto, é preciso promover uma sustentação dessa oferta junto aos portugueses, que têm  uma ótima idenficicação com Natal, não só para o turismo, mas também para outros investimentos.

*Jornalista

 

COLUNAS ANTERIORES

ANISTIA PARA LUIZ, ONDE ESTIVER

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

POR QUE BEBEM

 

TV, BOMBRIL E SAÚDE MENTAL

ALCOOLISMO, ALCOÓLICOS ANÔNIMOS E A JUSTIÇA

UM TIRO NO FOOT

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

SE SE CALA O CANTOR

QUALIDADE PELO TELEFONE

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

SENTIR BRASÍLIA

UMA HOMENAGEM A LOIS

EM BUSCA DE UM AMIGO

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

MÉDICOS PRECIPITADOS

UMA SAUDADE A MAIS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

CUIDADO COM AS FLORES

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MÉDICOS DE HOJE

MAIORIDADE AOS 16

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

DUARTE E SEU JOAQUIM

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

O CLIENTE PERDIDO

CACHAÇA NO HOSPITAL

MEDICINA E ARTE

DESCULPAS INÓCUAS

NINGUÉM MERECE!

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

O VENDEDOR DEZ EM UM

HUMOR NO ATENDIMENTO

GEOGRAFIA DA VENDA

AMIGO TAMBÉM ERRA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MEDICINA DESUMANA

ATITUDES CORRETAS

 

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

 

 

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO