WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 



02.07.2010


POR QUE BEBEM

--- Walter Medeiros* – waltermedeiros@supercabo.com.br

Um dos aspectos mais citados nos ambientes de tratamento do alcoolismo é que os dependentes do álcool bebem por qualquer motivo. Bebem porque estão felizes, bebem porque estão tristes, bebem porque o time ganhou, bebem porque o time perdeu, bebem porque tiveram uma raiva, bebem porque tiveram uma conquista, e assim por diante. Ao que parece, trata-se, na verdade, de um indicador que pode ser estudado e certamente resultará em resposta muito interessante sobre o comportamento dos bebedores-problemas.

Vale lembrar aqui o Capítulo XII do livro O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupery, no qual o principezinho, como chamam os portugueses, dialoga com um bêbado que encontrou em um dos planetas que visitou, após o que mergulhou numa profunda melancolia: “- Que fazes ai? perguntou ao bêbado, silenciosamente instalado diante de uma coleção de garrafas vazias e uma coleção de garrafas cheias. - Eu bebo, respondeu o bêbado, com ar lúgubre. - Por que é que bebes? perguntou-lhe o principezinho. - Para esquecer, respondeu o beberrão. - Esquecer o quê? indagou o principezinho, que já começava a sentir pena. - Esquecer que eu tenho vergonha, confessou o bêbado, baixando a cabeça. - Vergonha de quê? investigou o principezinho, que desejava socorrê-lo. Vergonha de beber! concluiu o beberrão, encerrando-se definitivamente no seu silêncio. E o principezinho foi-se embora, perplexo. As pessoas grandes são decididamente muito bizarras”, dizia de si para si, durante a viagem, o principezinho.

Pois para esquecer ou para lembrar, observamos nesta sexta-feira os bares, botecos, restaurantes, quiosques e calçadas por aonde passamos, duas horas depois do fim do jogo do Brasil com a Holanda e tivemos uma forte impressão de vazio. Houvesse o Brasil ganho o jogo, certamente aqueles espaços estariam ocupados com pessoas festejando e bebendo. Seriam pessoas que têm e pessoas que não têm (os que não têm são a maioria, cerca de 80%) problema com a bebida alcoólica. Estariam festejando justamente o que teria sido uma grande conquista. A conquista não veio e a maioria ficou em casa ou foi para casa, se estava fora. O fato é que a bebedeira ficou por conta somente de quem já tinha começado a beber ou aqueles que realmente bebem por qualquer motivo e até os cria, se não os têm.

O infortúnio brasileiro na Copa do Mundo parece que foi um baque nos “guerreiros” (Principalmente Dunga e Luiz Fabiano), que faziam propaganda de bebida alcoólica, bebida esta que, aliás, anunciava como patrocinadora oficial da Seleção Brasileira. Ao que parece, a bebida alcoólica por eles anunciada não teve o condão de levar a nossa seleção mais adiante. E assim os bares e demais ambientes festivos ficaram meio vazios, aguardando o fim do verdadeiro luto que se abateu sobre a nação inteira, que sofre, mesmo não tendo sido esta a primeira vez que se frustra tanto sonho. Na parede da memória, como diz Belquior, estão certos jogos nos quais o Brasil deu adeus antecipado às copas do mundo.

Não pretendo estudar esse assunto especificamente, mas acredito que pode ser uma boa sugestão para quem estuda o comportamento humano, o alcoolismo, a saúde mental e outros temas, verificar quem é esse universo que fica no bar num dia como este de hoje. Para tanto, poderia até começar com aquelas inocentes perguntas do principezinho, feliz abordagem daquele grande escritor francês, para documentar essa realidade tão visível, mas ainda pouco registrada. Um trabalho desses pode tornar-se uma importante contribuição para o tratamento do alcoolismo e outras dependências químicas que se alastram Brasil e Mundo afora, tratados até como algo engraçado pelo repórter da TV Globo, conforme vimos nas participações que tiveram de Amsterdã. Naquela capital européia, pelo menos, se sabe muito bem por que as pessoas beberam neste dia 2 de julho de 2010.

*Jornalista

 

COLUNAS ANTERIORES

TV, BOMBRIL E SAÚDE MENTAL

 

UM TIRO NO FOOT

SE SE CALA O CANTOR

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

SENTIR BRASÍLIA

UMA HOMENAGEM A LOIS

EM BUSCA DE UM AMIGO

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

MÉDICOS PRECIPITADOS

UMA SAUDADE A MAIS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

CUIDADO COM AS FLORES

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MÉDICOS DE HOJE

MAIORIDADE AOS 16

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

DUARTE E SEU JOAQUIM

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

O CLIENTE PERDIDO

CACHAÇA NO HOSPITAL

MEDICINA E ARTE

DESCULPAS INÓCUAS

NINGUÉM MERECE!

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

O VENDEDOR DEZ EM UM

HUMOR NO ATENDIMENTO

GEOGRAFIA DA VENDA

AMIGO TAMBÉM ERRA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

MEDICINA DESUMANA

ATITUDES CORRETAS

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

QUALIDADE PELO TELEFONE

 

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO