WALTER MEDEIROS

walterm.nat@terra.com.br 


23.12.2009

EM BUSCA DE UM AMIGO

--- Walter Medeiros – waltermedeiros@supercabo.com.br

Vésperas do Natal, lembranças aflorando, vontade de rever amigos que fomos encontrando através dos anos. Amigos do Tirol, de quando moramos na Alberto Maranhão, em frente ao sítio onde hoje é o condomínio Jardim Tirol; da Praça Augusto Leite; do Externato Saturnino, onde fizemos o Admissão ao Ginásio em 1966; do Grupo Escolar Monsenhor Calazans Pinheiro, onde estudei em 1965; do Grupo Áurea Barros, do meu primário, em 1963/64, da Escola Industrial Federal do Rio Grande do Norte, onde estudamos de 1967 a 1970; da avenida Rafael Fernandes, onde moramos desde o tempo que se chamava Campo Santo, de 1965 a 1972; e de tantos outros lugares onde vivi, estudei, trabalhei.

Entre tantos, lembrei de um amigo cuja última vez que encontrei faz muitos anos, tocava num evento da Igreja do Candelária. Aí recorri à Internet, para reencontrá-lo. Ademaci Barbosa, músico, com dedicação extrema ao seu trabalho, à sua família e às comunidades, um missionário. Sempre conversamos muito, mas a geografia da cidade findou fazendo com que passássemos a nos encontrar muito esporadicamente. A Internet, no entanto, proporciona também a possibilidade de obtermos mais informações sobre as pessoas que se dispõem a divulgá-las. Assim fiquei sabendo que Ademaci nasceu em Ituiutaba, Minas Gerais e aos quatro anos veio para o Rio Grande do Norte, terra dos seus pais.

Morou na rua Benjamim Constrant, exatamente no período em que nos conhecemos, na convivência com o Professor Saturnino que, além de ensinar as matérias mostrava as atualidades nas revistas e jornais que sempre conduzia. Lembro dele também como marinheiro, que foi. Depois o encontrei como funcionário da EMSERV (Empresa de Serviços de Vigilância), em serviços administrativos. A EMSERV funcionava onde hoje é a Delegacia Regional do Trabalho e onde eu também trabalhava, coincidentemente, no escritório do Dr. Paulo Viveiros.

Em sua atividade artística, naquele tempo o meu amigo já procurava divulgar seu trabalho como compositor e foi até o Rio de Janeiro, mostrando suas músicas nas igrejas. Chegou a encontrar com Roberto Carlos, a quem entregou em mãos algumas de suas composições românticas. Fez na época um concurso do Bandern, passou e logo foi chamado para trabalhar na agencia de Patú, onde ficou três anos também trabalhando na igreja e fazendo missões nos povoados, sítio e fazendas. Depois foi transferido Macau onde  também desenvolveu intensa atividade musical. Depois foi transferido para agencia de São Tomé,  Ceará-Mirim (lembro que me chamou uma vez para ser jurado em um programa de auditório que promoveu no Ginásio Esportivo) e, finalmente, Natal.

Está também na Internet que Ademaci deixou o BANDERN para viver dedicado à fé, à música e às missões, formando a banda Arco-Ìris. Irrequieto, fez concurso para professor do estado, passou e foi lotado na escola Isabel Gondim, para lecionar Química, Educação Artística e Matemática. Na paróquia sagrada família ele assumiu as missas com a Pastoral da Música, dando aulas de música e cultivando grande amizade com o padre Campos, também compositor. Ele introduziu nas igrejas os ritmos dos instrumentos e teclado, onde antes só se usava órgão.

Quanta informação, não? E tem muito mais, se continuarmos a busca, o suficiente para entender melhor o ser humano humilde e digno com quem convivi naquele período de escola primária e anos vibrantes da adolescência. Tratou-se de uma leitura muito emocionante, rever as fotos e encontrar informações sobre o amigo de tantos momentos. Naturalmente fui buscar a forma de reencontrar pessoalmente aquele amigo. Ao final, o mais surpreendente e chocante: Ademaci Barbosa de Moura, que nasceu em 1951, morreu em março de 2006. Senti, então, uma sensação de perda muito grande; é como se tivesse perdido um irmão.

 

---

* Walter Medeiros é jornalista profissional

** Vermelho

Leia mais sobre o assunto no link http://www.rnsites.com.br/auto-hemoterapia.htm

 

--- 

 

*Walter Medeiros é jornalista e bacharel em Direito em Natal-RN. Autor dos livros “Onde está o atendimento?” Ed. Viena, "Abelardo, o alcoólatra"

( http://paginas.terra.com.br/arte/cordel/ap009Abelardo.htm ) e "Humanização nos Serviços de Saúde", Ed. Minelli, 2008.

 

 

COLUNAS ANTERIORES

SE SE CALA O CANTOR

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

LEMBRANÇAS DA FARDA CAQUI

 

UMA HOMENAGEM A LOIS

MÉDICOS PRECIPITADOS

COMÍCIO DA SÉ, 25 ANOS

ISRAEL BOMBARDEIA A HUMANIDADE

UMA SAUDADE A MAIS

ESPECIAL: SEU SEBASTIÃO - 92 ANOS DE BELAS HISTÓRIAS

CUIDADO COM AS FLORES

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

RESSONÂNCIA HUMANIZADA

MAIORIDADE AOS 16

MÉDICOS DE HOJE

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

HUMANIZAÇÃO EM LABORATÓRIOS

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

DUARTE E SEU JOAQUIM

O CLIENTE PERDIDO

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

MEDICINA E ARTE

CACHAÇA NO HOSPITAL

NINGUÉM MERECE!

DESCULPAS INÓCUAS

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

O VENDEDOR DEZ EM UM

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

GEOGRAFIA DA VENDA

HUMOR NO ATENDIMENTO

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

AMIGO TAMBÉM ERRA

ATITUDES CORRETAS

MEDICINA DESUMANA

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

 

QUALIDADE PELO TELEFONE

 

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO