HUMANIZAÇÃO E

ATENDIMENTO

Walter Medeiros  walterm.nat@terra.com.br 


05.04.2008

Humanização em laboratórios – Novos aspectos

--- Walter Medeiros

O emprego da humanização pode ser feito em qualquer empresa, conforme temos visto no âmbito da administração. Esta é uma tendência e um diferencial. No ambiente dos serviços de saúde, entretanto, este emprego é mais natural e perceptível. Mesmo assim, alguns setores da saúde são mais aparentemente objetivos, o que dificulta a percepção da humanização. É o caso dos laboratórios, farmácias, clínicas radiológicas, etc. Mas todos eles necessitam da humanização. Isto significa que o órgão ou empresa precisa enxergar o cliente como pessoa, e nesse caso, ainda mais, pessoa enferma ou em tratamento.

Quando se chega a um laboratório para fazer exames ou recebê-los, não se trata de clientes que estão providenciando uma mercadoria qualquer. Naquele sangue coletado, naquelas amostras entregues ou naqueles pedacinhos do corpo retirados está muito mais que simples materiais. Está a vida da pessoa. Ela está em dúvida sobre seu estado de saúde. Além do material coletado, o estado psíquico da pessoa está ligado completamente, o social também. Ali estão dúvidas, de onde podem sair certezas para tranquilidade ou desespero. A tranquilidade de saber que os exames atestaram a saúde sem problemas ou o desespero da dúvida sobre a gravidade da doença e suas consequências - até financeiras, caso precise de tratamentos que talvez não estejam ao seu alcance sem maiores problemas.

É aí aonde a empresa ou órgão precisa estar preparada para receber materiais explicando completamente do que se trata, para que a pessoa viva a tranquilidade do domínio da informação, e preparada para entregar resultados, principalmente nos casos em que são indispensáveis esclarecimentos técnicos imediatos ao usuário. Normalmente o médico assistente é quem comunica os resultados dos exames aos clientes, mas os laboratórios precisam estar preparados para esclarecer aos mais apressados, preocupados e exigentes, sobre os métodos utilizados e as margens que abrangem o seu trabalho. Esses esclarecimentos podem ser determinantes para a saúde do usuário do laboratório, pelo efeito benéfico que pode causar no período de tempo que ele ainda tem entre a saída do laboratório e o retorno ao médico. Sabe que estes momentos são muitas vezes dramáticos.

Pensando internamente, para estar preparado e atender desta forma ideal, há necessidade de qualidade de vida no trabalho, ou seja, os funcionários precisam estar preparados e satisfeitos com o trabalho, sem stress anormal. Da mesma forma que precisam de condições de trabalho, para não deixar de atender corretamente e conforme os protocolos estabelecidos. Aí já passa pela área administrativa, mas é quem precisa mesmo garantir esse suporte. A humanização, no caso, começa com o cumprimento daqueles requisitos previstos no manual de acreditação hospitalar, da ONA - Organização Nacional de Acreditação, que tem parte dedicada aos laboratórios. Humanização já faz parte desse trabalho de qualificação.

 

--- 

 

*Walter Medeiros é jornalista e bacharel em Direito em Natal-RN. Autor dos livros “Onde está o atendimento?” Ed. Viena e "Abelardo, o alcoólatra"

( http://paginas.terra.com.br/arte/cordel/ap009Abelardo.htm ).

 

 

COLUNAS ANTERIORES

ESTUPIDEZ NO SHOPPING DO CARRO

MAIORIDADE AOS 16

TROTE - SOBRE CALOURADA DA UFRN

IMIGRAÇÃO E COLONIALISMO

DUARTE E SEU JOAQUIM

 ALGO INVISÍVEL NO ATENDIMENTO

EXPLICAÇÕES SOBRE A AUTO-HEMOTERAPIA  

AL-ANON, UM RECURSO A MAIS PARA PROFISSIONAIS

CACHAÇA NO HOSPITAL

O CLIENTE PERDIDO

DESCULPAS INÓCUAS

MEDICINA E ARTE

EVITE O PRIMEIRO ATRITO

NINGUÉM MERECE!

ESTUPIDEZ CONTUMAZ

PSICOLOGIA NO HOSPITAL

HUMOR NO ATENDIMENTO

O VENDEDOR DEZ EM UM

AMIGO TAMBÉM ERRA

GEOGRAFIA DA VENDA

MEDICINA DESUMANA

QUALIDADE NOS SERVIÇOS DE SAÚDE

ATENDIMENTO AOS APRESSADOS

ATITUDES CORRETAS

QUALIDADE PELO TELEFONE

A HIGIENIZAÇAO DO DOENTE

CRÔNICAS E OUTROS ARTIGOS

 

TOPO

MENU

INDIQUE SITES

CIDADES DO RN

FALE CONOSCO